Notícias

País perde 600 mil empregos em dezembro,dizem fontes.

11/01/2009 19:39

O Ministério do Trabalho espera que, por causa da crise financeira, o mês de dezembro de 2008 tenha sido o pior para o mercado formal de trabalho dos últimos anos. Embora o último mês do ano tradicionalmente registre fechamento de vagas, por causa da demissão de trabalhadores temporários, a estimativa dos técnicos é de que o volume de demissões em dezembro último tenha superado largamente a média do mês, que é de cerca de 300 mil postos de trabalho com carteira assinada. Fontes com acesso ao ministro do Trabalho, Carlos Lupi, chegaram a estimar que os corte teriam chegado a 600 mil vagas em dezembro, apenas levando em conta os dados do Cadastro Geral de Empregados e Demitidos (Caged).

Mas embora esse número também tenha sido veiculado na imprensa, a assessoria do ministro negou que ele tenha mencionado essa projeção.

Segundo os assessores de Lupi, ainda não seria possível ter uma estimativa do resultado de dezembro, porque os Estados não encaminham simultaneamente os dados ao Ministério do Trabalho. A assessoria do ministro confirmou, no entanto, que Lupi de fato espera um resultado, em dezembro, bem pior do que nos últimos anos.

Em dezembro de 2007, o Cadastro Geral de Empregados e Demitidos (Caged), que compila os dados sobre o mercado formal de trabalho, registrou o fechamento de 319,4 mil vagas, desempenho muito semelhante ao de igual mês de 2006. No governo Luiz Inácio Lula da Silva, o pior dezembro até agora foi o de 2004, com fechamento de 352,1 mil vagas.

Reportagem publicada hoje pelo jornal O Estado de S.Paulo informa que, pressionada por estoques elevados e queda nas vendas, quase um terço da indústria brasileira pretende reduzir o número de empregados até fevereiro. A estimativa foi obtida por meio de um levantamento feito pela Fundação Getúlio Vargas.

A reação do mercado de trabalho diante da crise internacional é também a grande preocupação do governo. Já foram anunciadas medidas para desonerar o setor automotivo - um dos mais atingidos pela crise e cuja cadeia produtiva é altamente geradora de empregos - e estimular o consumo, como a redução do Imposto de Renda para Pessoa Física (IRPF).

Na mira da equipe econômica está agora o setor de construção civil, um dos mais intensivos em mão-de-obra e que também sofre o impacto da retração de crédito provocada pela crise. No pacote habitacional em gestação, o governo discute medidas como a desoneração de material de construção popular e a elevação do valor da casa própria, que pode ser financiado com utilização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), além de ampliação da oferta de financiamentos.

No caso das desonerações, o espaço do governo está limitado pelo impacto negativo da desaceleração da atividade econômica na arrecadação federal. Já em relação ao FGTS, há um relativo consenso dentro do governo sobre a necessidade de se elevar o valor do imóvel, que poderá ser adquirido com os recursos do Fundo, mas o valor ainda não está fechado.

Fonte: Agencia Estado

voltar    Saiba mais

IMEC - Instituto de Apoio a Ações Mercadológicas, Educacionais, Empresariais e Econômicas
Av. Romualdo Galvão, 703 - Ed. Trade Center - Sala 705, Lagoa Nova, Natal/RN
CEP: 59056-100, fone/fax: +55 84 3201 0582, e-mail: imec@imecbr.com.br